FRANÇA: Contra a Máquina Liberal da Social-democracia

Texto da  Fédération anarchiste (FA) – França recebido In-Box
relations-internationales@federation-anarchiste.org

http://federation-anarchiste.org
Internationale des Fédérations anarchistes (IFA-IAF).
secretariat@i-f-a.orghttp://i-f-a.org

Moção adoptada no 72e Congresso da Federação Anarquista reunida em Saint-Imier 7, 8 e 9 de junho de 2014.

Longe de conter os ataques anti-sociais empreendidas por quase vinte anos de direita ao poder, a chegada do Partido Socialista à presidência da República em 2012, sequer acelerou mesmo. Provavelmente, os patrões nunca foram também bem servidos há muitos anos. O crédito fiscal para a competitividade e o emprego (2012) até o pacto da “responsabilidade” (2014), são dezenas de bilhões de euros em benefícios fiscais que o governo socialista ofereceu ao capital.
Mas a generosidade de François Hollande e sua camarilha ministerial não se limitaram unicamente a carteira dos exploradores. Respondendo a alguns desejos antigos alimentados durantes anos pelo MEDEF [principal organização dos empregadores em frança], o novo governo começou a tratar do Código do Trabalho e certos estatutos assalariados. Assim, o acordo interprofissional nacional (ANI) de Janeiro de 2013 tornou-se lei o 14 de junho de 2013 estabelece a “flexigurança”, como o modo de gestão preferencial do mercado de trabalho. O que ele é? Nada menos do que facilitar grandemente os procedimentos de despedimeto, os motivos de fazer a contratação mais fácil… Sempre esperanças et uma confiança unsalubre colocada em Pierre Gattaz [presidente do MEDEF]e seus comparsas patronais, que nunca deixam de prometer em troca de medidas que recebem, eles, hoje. O mesmo se aplica para o status dos intermitentes do entretenimento, mal desarrumada desde a assinatura no início de 2014, sobre o acordo seguro-desemprego – que também ataca os desempregados, precários e idosos para financiar o déficit da UNEDIC [Instância Comum responsável pela administração do seguro-desemprego], enquanto permite os patrões 800 milhões de euros em economias adicionais.
Adicione a isso: a continuidade da destruição do status do maquinista de ferro através da destruição do serviço público ferroviário ; as dramáticas consequências da liberalização da instituição de gestão hospitalar (estruturas fechadas, colapso da qualidade dos doentes por pessoal pressurizado e desamparados) ; hipocrisia exibida para a indústria de jornal com ajuda exorbitante disponível anualmente para grandes grupos para financiar planos sociais ; a vontade de remover os tribunais do trabalho para colocar ainda mais a distância entre os trabalhadores e a utilização da justiça; denunciando o direito a formação (adquirida em 1971) na Lei do 5 de marco de 2014 suprimindo o 0,9% alimentando o plano de formação, etc., e vamos fazer uma idéia do que significa a social-democracia no poder para os trabalhadores.
Esta série de ataques não é apenas por causa do governo por si só, provavelmente não poderia muito. Há outros responsáveis, em primeiro lugar a direção nacional da CFDT [Confederação francesa Democrática do Trabalho]. Determinado a se tornar o número um parceiro social do governo “socialista”, os burocratas dirigentes deste sindicato que afimavam antes ser do projeto de auto-gestão têm mostrado um servilismo angustiante, dizendo “amém ! ” a maioria dos projetos mencionados anteriormente. Mas os outros os dirigentes sindicais fazem o mesmo.Embora mostrando uma atitude de desafio contra o locatário do Elysee, eles são claramente culpados de não querer organizar um conflito social digna desse nome preferindo a greve e a estratégias de convergência alguns passeios nas ruas (Alguns até mesmo para acompanhar a CFDT na assinatura de acordos).  A prova, se necessário novamente, que não temos muito que esperar das burocracias de todos os tipos, e que, se o investimento no domínio da luta de classes através de sindicatos continua a ser uma opção (sobretudo no domínio interprofissional), que deve ser a partir da base e contra as estratégias de direções confederais, por reviver a prática da ação direta (da greve a sabotagem).
Enquanto isso, o governo usa as suas medidas legais e repressivas para esmagar os movimentos sociais determinados (Tais como Notre-Dame-des-Landes e a fazenda agrícola des Mille Vaches): violência policial,prisões de militantes e penas de prisão.
Diante disso, em geral, em investindo sindicatos ou em pulsando comissões de lutas, no ambiente de trabalho ou fora dele, nas ruas, é essencial para os anarquistas assumir estas questões e participar na construção de uma resposta social radical. Nestes tempos de eleições e da recuperação dos partidos políticos das demandas legítimas dos proletários, a reafirmação da autonomia do movimento social, que deve ser feito contra os partidos políticos, é mais necessário do que nunca, no caso contrário, nossas revoltas terão suas cadeiras parlamentares para sepulcros.

Não deixamos ir nada !

Federação Anarquista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s