A Saída é pela Base! A posição da ORC sobre o processo eleitoral do SEPE/RJ

Por ORC-RJ

ORC ELEICOES SEPE (Documento em PDF)

No final de junho e início de julho do presente ano de 2015 será realizada mais uma eleição em nosso sindicato – SEPE-RJ. Nós da Oposição de Resistência Classista (ORC-RJ), não estamos compondo nenhuma chapa. E depois de inúmeras indagações a respeito, feitas por respeitosos camaradas do movimento, apresentamos aqui nossa avaliação sobre este momento em que acontece o processo eleitoral, como contribuição ao debate.

1) Desde já queremos deixar claro que não somos contra eleições no SEPE ou no movimento sindical e popular. Porém, a participação neste processo de 2015 sem a consolidação de um movimento significativo (em qualidade e quantidade) de luta, organizado e construído pela base, tende a ser uma mera reprodução dos passos dados pela burocracia sindical que dirige o SEPE há décadas. Uma nova concepção de sindicalismo demanda igual diferenciação nos objetivos e no modo de fazer política. Aproveitar a conjuntura de desgaste da burocracia, somente com uma estratégia eleitoral, é muito pouco para começar a desmembrar essa direção do SEPE e muito menos ainda para construir o sindicalismo revolucionário.

2) O levante popular de 2013 mostrou como as bases cada vez mais não reconhecem as direções sindicais como representantes de seus interesses. As greves da educação no Rio de Janeiro em 2013 e 2014 e a greve dos garis em 2014 e 2015 são emblemáticas na exposição desta contradição entre base e direção. Isso aumenta a responsabilidade do resgate de uma concepção classista e combativa de sindicalismo. Isso é anterior às urnas! Isso é o que demanda a consolidação de uma oposição sindical!

3) A disputa política dentro do sindicato, assim como a greve, não são um fim em si mesmos. Devem ser resultado de uma concepção sindical de fato classista. Há anos criticamos o grevismo dessa burocracia, que é apenas mais uma das facetas desta concepção sindical equivocada e que é praticada não somente no SEPE, mas também na maioria dos sindicatos brasileiros: um sindicalismo de Estado, atrelado aos interesses da disputa parlamentar (fetichizada nas corridas de gabinetes e nas eleições de seus candidatos nas eleições burguesas). Partidos como o PT, PC do B, PSOL e PSTU que dirigem uma boa parte dos sindicatos brasileiros são mestres nesta prática política. Com a diferença que os dois primeiros estão no campo do governismo e os dois últimos são paragovernistas.

4) Esta concepção de política sindical coloca como protagonistas das lutas direções sindicais e partidos, desprivilegiando as bases, além de levar constantemente os trabalhadores a derrotas. Uma política que trai a classe trabalhadora! Para reverter isso devemos colocar entre as prioridades do movimento dos trabalhadores da educação nesse momento:

– construir realmente as eleições de representantes de escolas, a fim de formar e empoderar as bases com novas lideranças nas escolas, que tenham como método de luta a ação direta, a independência de classe e o combate ao aparelhamento (principalmente dos partidos eleitorais).

– enraizar o princípio da solidariedade de classe. Não esta que assistimos no conjunto da direção do SEPE, que na maioria das vezes se pauta na questão jurídica e corporativista: devemos apoiar e defender todo e qualquer lutador da classe, independente de ser da categoria ou não, seja com campanhas, apoio jurídico, propaganda e luta nas ruas.

– manter e aprofundar a política de construção de um fundo estadual de greve, principalmente enfrentando a ofensiva dos tubarões que querem voltar a abocanhar essa parcela ainda pequena de recursos do sindicato.

– combater o sectarismo, construindo um sindicato plural e que delibere através dos trabalhadores a partir da democracia direta.

5) Para tanto, tão ou mais importante que as ponderações anteriores, queremos dialogar com @s companheir@s, mais nov@s ou muito presentes anteriormente no movimento, que se destacaram no seio das lutas de 2011 a 2015, principalmente (mas não somente) das redes estadual e municipal do Rio, que optaram por concorrer à direção central do SEPE/RJ. A participação nas eleições pode ser uma rica experiência que não podemos subestimar, mas achamos que não é o momento de se desgastar neste processo, pois se corre o risco de termos militantes sinceros isolados e respaldando uma burocracia sindical, sem a capacidade de intervenção significativa ainda nos espaços de base. Isso pode vir a confundir a base e não trazer um apoio eficaz na luta contra essa burocracia sindical. Já tivemos diretores antes que cumpriram esse papel e sabemos como isso foi ineficaz para a luta. Avançou-se muito nos últimos anos, mas ainda precisamos de mais. Formar os novos e os antigos militantes numa concepção do sindicalismo revolucionário, diferente das referências anteriores do PTismo.

Entretanto achamos que pode ser acertada a disputa eleitoral em núcleos e regionais, com chapas que incluam os militantes combativos da categoria de anos de experiência com a base militante que se renovou nos últimos anos. Desde que não sejam compostas por aqueles velhos setores que hegemonizam a burocracia sindical do SEPE, principalmente os do campo parlamentar. Onde isso não for possível, há de se partir para o avanço da oposição pela base, com atuação contundente em cada núcleo e regional deste sindicato, independente de quem ocupe as direções locais.

6) Por fim, queríamos deixar claro que uma concepção classista não se caracteriza só por textos ou palavras de ordem. Muito menos por discursos inflamados nas assembleias. Se caracteriza por ações concretas no mundo real que devem ser medidas também pela trajetória de cada um. Por isso a ORC, bem como todas as oposições afiliadas ao Fórum de Oposições Pela Base (FOB), em qualquer estado desse país defende com coerência a mesma política. Sempre estamos dispostos a discutir qualquer polêmica com as demais agrupações do movimento sem sectarismo. Olho no olho, assumindo publica e honestamente nossas posições. E principalmente respeitando as divergências e debatendo com aqueles/as que tenham essa mesma conduta.

Construir a mobilização pela base!

Abaixo a burocracia sindical!

Construir o sindicalismo revolucionário!


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s