[ORC-DF] Chega de ilusão, é hora de ação!

Bloco autônomo e combativo durante a assembleia geral e protesto dos professores. (04/04/2017)

Para baixar o panfleto em PDF, clique aqui.

O governo de Rollemberg/PSB vinha ignorando a greve dos professores desde que se iniciou. A mídia se manteve igualmente calada. Porém, no sábado (25/3) durante o aniversário da Ceilândia o quadro mudou: os professores ocuparam o desfile proclamando palavras de ordem contra o governador que estava presente no evento. Nesse mesmo dia, o governador constrangido pelo ato e demonstrando sua infantilidade política, entrou com uma ação para decretar a justa greve como ilegal! Ou seja, de um dia para o outro a greve passou de inexistente, para ilegal [sic].

A PEQUENA POLÍTICA DO SINPRO/CUT E AS TAREFAS DA LUTA

Ao contrário da linha dada pelo Sinpro/CUT o objetivo do nosso movimento não é negociar com o Governador, mas sim conquistar a isonomia salarial prevista na meta 17 e barrar a reforma da previdência. A diretoria do Sinpro (que é majoritária no comando de greve) insiste em inverter a ordem das coisas: a negociação não é um fim em si mesmo, só se negocia com o governo se ele tiver propostas, e só se arranca propostas com mobilização de massas.

Além disso, o Sinpro/CUT acredita que devemos ceder à chantagem do governo e da mídia e desocupar as ruas “para melhorar a negociação”. Ora! Mas não foi ocupando as ruas e na greve que pressionamos o governo? Por um acaso acreditamos que teremos conquistas fazendo o jogo do governo? Seguindo essa lógica da ideologia burguesa, o Sinpro incorreu em um erro brutal, pois desmarcou um ato em Taguatinga aprovado pela assembleia geral, modificando através de uma reunião do comando de greve, a decisão soberana da categoria. Além de um erro estatutário, pois mais uma vez atropela nossa instância máxima de deliberação, é também um erro tático gravíssimo! Ao aceitarmos a regra do governo e recuarmos da rua, nos desmobilizamos. Temos que entender que não ganharemos essa guerra jogando nas regras do inimigo!!

O Rollemberg disse que não negociaria com os professores caso não desocupassem o eixo monumental, entretanto nós sabemos que ele apenas nos recebeu por causa disso. Já que o governo se incomodou com a ocupação de rua, então essa é a tática correta! Por outro lado, a tática do “morde e assopra” proposta pelo Sinpro já nos levou a derrota em 2015, afinal, quem não lembra que após a repressão policial no eixão o Sinpro, ao invés de potencializar uma greve de massas e a radicalização, encaminhou o recuo, a vitimização e o “respeito” pela mesa de negociação?

Portanto, as tarefas da categoria são: 1) Um calendário consistente de radicalização (com manifestações nas ruas, fechamento de estradas, ocupação de órgãos do governo); 2) Diálogo com a comunidade escolar e envolvimento desta nos atos e protestos; 3) Combater o centralismo, a covardia o legalismo do Sinpro que ainda podem colocar em risco nosso movimento e nos levar a cometer os mesmo erros de 2015; 4) A nossa estratégia não pode ser desgastar a imagem do Rollemberg ou Temer para apoiar outros candidatos em 2018, a nossa greve deve ser para garantir os direitos do povo, com independência frente as disputas eleitoreiras; 5) Construir Comitês de Mobilização em cada regional com os professores independentes e dispostos a fortalecer a mobilização nas bases antes e depois da greve; 6) Utilização do fundo de greve do sindicato para combater o corte de ponto; 7) Recomposição do calendário (sem reposição aos sábados), tal como é nas universidades, como ponto a ser negociado com o governo.

CHEGA DE MESAS DE ENROLAÇÃO!

O governo tenta a todo momento desmobilizar e enfraquecer a categoria, ora com ameaça de corte de ponto, decretando a greve ilegal e, por fim marcando inúmeras mesas de enrolação que não chegam a nenhuma proposta cabível. Cansam fisicamente e psicologicamente os professores que em vez de estarem construindo sua greve e se fortalecendo nos atos de ruas e piquetes de escola, ficam depositando esperança em mesas que seguem sem grandes propostas.

A GREVE CONTINUA, ATÉ A VITÓRIA!

Não podemos desanimar, nem adiar nossa luta. Em outros momentos a categoria também passou por greve duríssimas, de até 75 dias, e se manteve forte e unida. Só com essa força conseguiremos conquistar nossas pautas. É hora de enrijecer com o governo para que ele compreenda nossa força.

A greve é a arma que nós trabalhadores dispomos de enfrentamento com os governos. Vamos agarrar nossas reivindicações e lutar pelos nossos objetivos. A hora é agora! Se deixarmos esse momento escapar, talvez tenhamos que trabalhar mais 15, 20 anos ganhando um salário cada vez menor!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s