[RECC-MS] 1° DE MAIO DIA DE LUTA E ORGANIZAÇÃO: TRABALHADORAS E TRABALHADORES EM DEFESA DA APOSENTADORIA

No dia 1° de maio de 1886, as trabalhadoras e trabalhadores de Chicago (EUA) que organizavam-se através do Sindicalismo Revolucionário iniciaram uma Greve Geral com grandes ações e manifestações nas ruas, e fruto de muita luta e organização, ergueram barricadas contra a exploração, reivindicando a defesa de melhores condições de trabalho e das 8 horas diárias de trabalho/lazer/descanso. A Greve Geral foi a semente para o crescimento de vários levantes populares em diversos territórios do mundo. A insurreição da classe trabalhadora foi duramente reprimida pelo Estado aliado aos patrões, com os oito camaradas Louis Lingg, Oscar Neebe, Adolph Fisher, August Spies, Albert Parsons, Michael Schwab, George Engel e Samuel Fielden, operários anarquistas, perseguidos, presos e mortos. Foram condenados à morte e assassinados pelas mãos do Estado em novembro de 1887, com a exceção do companheiro Neebe que foi condenado a 15 anos de prisão.

FOB&RECC_MS

Sabemos que a luta da classe trabalhadora é internacional, e o Brasil foi um dos exemplos dos países para onde a semente de revolta popular germinou, na Greve Geral de 1917, que iniciou com 400 operárias e operários, a maioria mulheres, e logo agregou milhares de trabalhadoras e trabalhadores para lutar contra a exploração do trabalho, com jornadas extensas de 16 horas, e organizando-se em defesa lutando da jornada de 8 horas, pela garantia de emprego e aumento dos salários. Conquistando por meio da organização e da luta a proibição do trabalho infantil e pautando elementos que em breve estariam na CLT. É importante ressaltar que as primeiras greves gerais no Brasil foram construídas por levantes de trabalhadores negros escravizados, a exemplo da greve negra de 1857 na Bahia.

Enfrentamos hoje grandes projetos de exploração e genocídio do povo, como a aprovação da Lei da Terceirização (Lei n. 13.429, de 31 de março de 2017), a reforma trabalhista com a flexibilização das leis trabalhistas pautada como ajustes fiscais pelo governo de Dilma e aprovada como reforma trabalhista pelo governo Temer (PT-MDB), um projeto de maior precarização das condições de trabalho que prioriza a grande mentira de um “acordo” entre patrão e trabalhador(a), indo contra todos os direitos conquistados por meio da luta. A mentira da reforma trabalhista é desmascarada com o grande número de desempregados que atinge mais de 12,7 milhões de pessoas (dados do IBGE). E por fim, a reforma da previdência, que vai contra o direito do povo à aposentadoria, o aumento da idade mínima aumenta a superexploração dos/das trabalhadores e trabalhadoras, sendo as mulheres as mais prejudicadas, pois a maior parte das vezes possuem tripla jornada de trabalho.

1M_MS_1

Em Dourados, a RECC/FOB-MS esteve presente no bairro Canaã IV no 1º de maio, com a recém criada FAE (Frente Autônoma Estudantil), organização de estudantes da UFGD que surge agregando militantes independentes com perspectiva de luta frente ao falido parlamentarismo estudantil. Construímos o 1° de maio junto a associação de trabalhadoras domésticas, através de um círculo de conversa, articulação e propaganda, onde as trabalhadoras denunciaram a precarização do trabalho e o grande problema causado pela informalidade. A sete anos atrás foi conquistada com muita a luta a PEC das Domésticas, com a aprovação da Lei Complementar 150/2015, pautando a jornada de 8h por dia e conquistando o direito à hora extra. Ainda assim, 70% das trabalhadoras encontram-se em condições marcada pela informalidade. Em conjunto com a organização das companheiras, foi aprovada na reunião a participação das organizações estudantis e da FOB em evento a ser realizado dia 5 de maio, onde iremos debater junto a centenas de trabalhadoras a reforma da previdência, relembrando o 1º de maio e comemorando o dia das mães com a comunidade. Com isso, se abre uma frente de trabalho comunitária, onde o povo apresenta a construção de novos caminhos para a luta classista e combativa em nossa região. A FOB defende a construção do Sindicato Autônomo das Trabalhadoras Domésticas, que estão atualmente se organizando pela defesa de suas reivindicações.

1M_MS_2

Bem sabemos que todos os direitos conquistados pelo povo foi por meio da luta combativa. E a luta dos Mártires de Chicago por 8 horas de trabalho há 200 anos atrás, continua sendo a pauta das trabalhadoras domésticas no Brasil. Quem se beneficia com as reformas não é o povo, são os grandes empresários, patrões e bancos. Para o povo há um caminho, barrar as reformas e combater todos os privilégios daqueles que roubam e exploram as/os trabalhadoras e trabalhadores, e a organização desde a base pela construção da Greve Geral. Só a luta muda a vida, só através da luta organizada criaremos uma nova sociedade, sem opressão e sem exploração.

VIVA O 1° DE MAIO, DIA DE LUTA DA CLASSE TRABALHADORA!

VIVA OS MÁRTIRES DE CHICAGO!

ABAIXO A REFORMA DA PREVIDÊNCIA. LUTA COMBATIVA EM DEFESA DA APOSENTADORIA!

CONSTRUIR O PODER POPULAR!

OUSAR LUTAR, OUSAR VENCER!

GREVE GERAL JÁ!

AVANTE O SINDICALISMO REVOLUCIONÁRIO!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s