[RECC-RJ] CONTRA A PRECARIZAÇÃO, OCUPAÇÃO!

Nota da Rede Estudantil Classista e Combativa (RECC)
Oposição Classista Combativa e Independente/UERJ

No dia 26/09, estudantes independentes se organizaram e ocuparam o bandejão da UERJ maracanã, que se encontrava há mais de 1 ano fechado. A ocupação aconteceu por volta das 18h e contou com a presença de mais de 50 pessoas, cantando palavras de ordem contra o sucateamento da educação pública, cobrando a reabertura do bandejão no Maracanã e a implantação do bandejão nos campi externos.

Seguindo os métodos de democracia que defendemos(democracia de base), realizou-se uma assembleia para definir os moldes da ocupação. A partir dessa assembleia, os estudantes se organizaram para garantir a segurança, limpeza e preservação do espaço da ocupação e dos ocupantes. Por unanimidade, a assembleia decidiu que é proibida a entrada da UNE no espaço.

No dia 27/09, às 14h, ocorreu a assembleia docente da UERJ, onde a base da categoria votou apoio à ocupação e foram recebidos no bandejão pelos estudantes com palavra de ordem e agradecimento. Durante a assembleia docente, o DCE da UERJ (PT/PCdoB) fez uma fala apontando a ocupação como ilegítima e sectária. É importante ressaltar que esse mesmo DCE foi convidado a participar da ocupação, mas não se movimentou nem para apoiar, mostrando assim que só atravancam a luta e servem aos interesses do estado burguês.

Hoje, a Ocupação do Bandejão (Ocupação Bruno Alves), pode afirmar com toda certeza de quem constrói verdadeiramente a luta,que o bandejão funciona de modo autônomo e suficiente, com opção vegana, e que com tal ação faz também evidenciar quais caminhos são de fato acertados para impedir o avanço da iniciativa privada e os ataques neoliberais em nossa Universidade. Combatemos qualquer atitude sectária e de atravancagem de luta. Nesse período, fizemos um chamado a todos os alunos e pessoas em geral que fazem parte direta ou indiretamente da vida uerjiana. E assim,viemos superando as dificuldades e conquistando vitórias que são apenas um esboço para barrarmos de fato o avanço neoliberal,que tem como laboratório para tal política no plano da educação o sucateamento sistemático da UERJ,universidade pioneira de cotas e uma das mais populares do país.

Entendemos que não é a estagnação e o comodismo que produzirão resultados para o avanço e amadurecimento da nossa luta. É através da mobilização pela base que vamos alcançar nossas pautas reais.

Contra a burocratização do movimento estudantil!
Por uma luta independente construída pela base!
Ocupar, resistir, lutar pra garantir!

Anúncios

[Catalunha] Carta Aberta da CNT

Carta Aberta do Secretariado Internacional da CNT

Mais informações http://www.cnt.es/

Nossa posição com respeito a Catalunha

Saudações Camaradas,

Antes de nada, agradecemos por todo apoio com traduções, publicando comunicados pelas redes sociais, convocando a participação em ações, etc.A CNT, em seu conjunto, e as companheiras e companheiros catalãos em particular, estamos muito agradecidos.

Como sabem, a situação na Catalunha é preocupante, em menor grau, no resto do Estado espanhol. Ao escrever essas linhas, a polícia anti-motim e a infame polícia militar, a Guarda Civil, atacam pessoas nas ruas de muitas cidades catalãs. A CNT, juntamente com outros sindicatos, chamamos uma greve geral para 3 de outubro contra essa onda de repressão.

Você provavelmente sabe que a unidade da Espanha é uma questão de importância fundamental para a extrema direita deste país. Conseqüentemente, qualquer pedido de autodeterminação que tenha alguma de suas partes desencadeia uma reação feroz. Já existe um aumento na presença de grupos fascistas em muitas cidades espanholas, enquanto o governo do partido  conservador (PP) está adotando uma atitude cada vez mais autoritária, atropelando os direitos fundamentais. Isso só pode ser sinal de mau presságio do que nos espera no futuro próximo. A repressão só pode piorar em muitos níveis, talvez até com a participação do exército.

Em alguns fóruns internacionais, a CNT está sendo muito criticada porque, segundo dizem, fazem o jogo dos nacionalistas com a convocação de uma greve geral. É compreensível. Como dissemos em outro lugar, é difícil encontrar o equilíbrio certo neste assunto e é normal que as nuances não sejam apreciadas à distância ou perdidas na tradução. Também é difícil para nós e há um debate interno muito animado sobre nossas estratégias, pois não pode ser de outra forma em uma organização tão plural e aberta quanto a CNT

Para que não haja equívocos. Estamos totalmente contra a repressão realizada por um governo cada vez mais autoritário e seus aliados de direita, mas isso não significa que apoiemos os planos dos nacionalistas. Ao longo desta semana, houve inúmeras manifestações na Catalunha: em defesa do referendo, pela independência, pela autodeterminação … De tudo. No entanto, a CNT não convocou nem participou de nenhum deles. De fato, onde os camaradas estão presentes, ficaram muito desconfortáveis com os nacionalistas, apresentando problemas sociais e econômicos no debate, lembrando que há alguns anos o governo catalão foi o que introduziu cortes sociais com mais vigor, etc. Na verdade, esse lembrete é com palavras muito semelhantes na nossa chamada de greve.

Tanto é assim, que o chamado de greve geral da CNT não é apenas destinado apenas à Catalunha, onde se iniciou o chamado da greve, por razões óbvias, mas em sua redação é claro que ela se estende para todo o estado espanhol. Entende-se que, nesta conjuntura, a resistência deve ser generalizada e expandida, para alcançar nossos objetivos de classe. O confronto não é entre as nações, mas entre as classes, entre um regime repressivo e seus aliados fascistas (tanto do “povo” como qualquer outro) e que defendem a liberdade e a dignidade insubmissa.

Tememos que a repressão aumente nos próximos dias e semanas. É por isso que vamos usar nossa arma favorita, a greve geral, para dificultar o trabalho da polícia em geral: seus movimentos, seu suprimento, etc. Veremos o que acontece a partir de hoje, mas uma situação complicada pode tornar-se diretamente desastrosa, em termos de repressão. Como revolucionários, não acreditamos que possamos ficar à margem, enquanto a polícia ataca pessoas na rua e bandas de fascistas vagam livremente em torno de nossas cidades.

De novo, muito agradecidos pelo apoio de vocês. Os manteremos informados.

Miguel Pérez, Secretariado Internacional da CNT

Situação da Catalunha por CNT

Reproduzimos abaixo o comunicado Sindicatos da CNT da Catalunha-Balears

https://cntlhospitalet.wordpress.com/

Os Sindicatos da CNT da Catalunha-Balears viemos a público deixar nosso posicionamento a favor da autodeterminação do povo catalão.

Desde nosso caráter anarcossindicalista pensamos que a transformação política dentro do mundo capitalista não pode conte todo nosso anseio de transformação social, onde a autogestão dos meios de produção e distribuição estejam nas mãos das classes trabalhadoras. Por este motivo, nossa luta cotidiana não está direcionado para a criação de novos estado ou iniciativas parlamentares.

No entanto, não podemos olhar para outro lado quando as pessoas são atacadas e reprimidas por parte de qualquer estado, que neste caso removeu a máscara para revelar seu autêntico caráter autoritário e pós-franquista, como já havia insinuado em outros momentos (reformas trabalhistas, resgates bancários, escândalos de corrupção, cortes na saúde, despejos … alguns dos quais apoiados pelo governo da Generalitat (Governo Catalão)

A CNT de Catalunha-Balears saudamos a atitude desobediente contra um aparato estatal ditatorial, discriminador e reacionário e queremos mostrar o mas profundo rechaço contra a repressão e contra quem a exerce contra as trabalhadoras e trabalhadores.

As mulheres e os homens da CNT serão mais um se for necessário, em defesa dos seus vizinhos e vizinhos, pois não pode ser de outra forma em uma organização anarco-sindicalista e, portanto, revolucionária.

 

[Goiás] Surge a Federação Autônoma dos Trabalhadores (FAT)!

Reproduzimos abaixo o manifesto de fundação da Federação Autônoma dos Trabalhadores (FAT) em Goiás.

Mais informações: https://federacaoautonoma.wordpress.com

Emailfederacaoautonoma@gmail.com

PELA FEDERAÇÃO AUTÔNOMA DOS TRABALHADORES

Neste ano de 2017, um grupo de trabalhadores pobres de diferentes ofícios começou a se reunir, a discutir e a pensar formas de lutarmos contra a exploração que sofremos.

Somos catadores de recicláveis, garçons, professores de contrato temporário, porteiros, jardineiros e estudantes pobres.

Nossa união começou a dar forma ao objetivo de criar uma grande união dos trabalhadores pobres de Goiás, que chamamos agora de Federação Autônoma dos Trabalhadores (FAT).

Nossa vida sempre foi de dificuldades, de opressão e de exploração. Nos últimos anos, com a crise econômica e com os ataques do governo, ela tem se tornado ainda pior. Continuar lendo

Sobre a luta reivindicativa e o papel do trabalho de base combativo: nem subjetivismo, nem fatalismo.

Este texto é uma contribuição feita em outubro de 2013 pelo estudante José Antônio, militante da Oposição CCI ao DCE-UnB, à Plenária Nacional da RECC e ao 1º Encontro Nacional de Oposições Populares, Estudantis e Sindicais (ENOPES) que ocorreram em novembro do mesmo ano no Rio de Janeiro.

Por José Antônio

“… a ciência social, enquanto doutrina moral, não faz outra coisa senão desenvolver e formular os instintos populares. Mas entre estes instintos e esta ciência, há no entanto um abismo que é preciso preencher. Pois se os instintos justos fossem suficientes para a libertação dos povos, eles já estariam libertos há muito tempo. Estes instintos não impediram as massas de aceitar no decurso da sua história, tão melancólica e tão trágica, todos os absurdos religiosos, políticos, econômicos e sociais de que foram eternamente vítimas.” (Mikhail Bakunin)

O objetivo inicial desse texto era combater o subjetivismo na militância, aspecto este responsável em grande parte por erros no curso das lutas reivindicativas e que levam em muitos casos a posteriores “desilusões” ou sectarismos diversos, porém, com o desenrolar da reflexão vimos a importância de incluir o seu oposto na crítica (o fatalismo), tendo em vista dissolver mal entendidos e de fato apresentar uma análise mais “completa” (ainda que obviamente com diversas lacunas). 

Primeiramente, devemos entender que as lutas reivindicativas não são logicamente construídas, elas não ocorrem ou deixam de ocorrer simplesmente por serem consideradas mais “justas” ou não, ou seja, as lutas reivindicativas não se formam unicamente por meio da argumentação lógica da justeza de uma causa “X” ou “Y” (o mesmo vale para a revolução: ela não é construída por meio da propaganda e da explicação lógica para os trabalhadores de que a revolução é necessária para acabar com seus males). As lutas reivindicativas ocorrem pelas condições objetivas e históricas que se encontra determinada fração de classe específica (no caso de reivindicações específicas), e o que determina se elas são lutas reivindicativas avançadas ou atrasadas é determinado nesse sentido por estes fatores históricos e objetivos, ou seja, relativos. Por exemplo, a luta internacional pela jornada de trabalho de 8 horas, ocorrida desde o século XIX, não nos torna mais avançados por lutarmos pela jornada de 6h atualmente. O mesmo pode ocorrer em algum local do país onde os estudantes estejam reivindicando o meio-passe, ao invés do passe-livre. Ou trabalhadores rurais que reivindicam o pagamento do salário atrasado, da marmita estragada, ou demais lutas reativas e defensivas, ao invés do salário mínimo indicado pelo DIEESE. Estudantes que defendem a não adesão ao ENEM, ou o fim das taxas do vestibular, ao invés do fim do vestibular. Talvez realmente em termos políticos estas sejam reivindicações “atrasadas”, porém, o são relativamente ao que está em pauta nas frações ou setores mais avançados do proletariado brasileiro, mas não, muitas vezes, em relação as condições particulares de determinado local de trabalho, estudo ou moradia.  

As conjunturas de refluxo ou assenso colocam toda a classe trabalhadora nestas condições, até mesmo seus setores mais combativos. Não é uma simples escolha própria (uma questão de decisão) fazer lutas “defensivas” ou “ofensivas”. Devemos sim compreender nossas tarefas na atual conjuntura internacional, nacional, estadual, em cada curso, escola, etc. e a partir das condições que encontramos nestes locais, buscar, a partir do nível de organização, da consciência da fração de classe, do nível de conflito social, disputar (isso sim!) o curso do desenvolvimento da luta reivindicativa. O que significa “disputar o curso da luta”? Significa dar a nossa opinião, a nossa orientação, propor métodos e formas de organização combativas, desfazer ilusões e desmascarar os oportunistas aos olhos da base, demonstrando que uma direção combativa pode levar as massas para as vitórias imediatas e históricas. E tudo isso especialmente pela prática, pela ação, pelo exemplo. 

Isso significa então que não devemos nos adaptar, estagnar, aceitar como “dado” o nível da consciência aparentemente “atrasada” de um determinado setor (nem desanimar frente a possíveis concepções conservadoras do povo), mas devemos trabalhar em cima dela para avançá-la, e não dar um salto mortale entre aquilo que achamos correto e aquilo que está dado. Um exemplo bem prático: uma escola que não possui grandes experiências de luta e os estudantes fazem um abaixo-assinado ou um “plebiscito” por alguma demanda, acredito que nós (militantes combativos) devemos participar e ajudar, mesmo sabendo que muito provavelmente esse método de luta não terá grandes efeitos. Ou seja, a greve estudantil, a manifestação de rua, a ocupação de órgãos públicos e demais métodos de ação direta de massas nem sempre são possíveis e, portanto, nem sempre devem ser defendidos, mesmo que saibamos que apenas eles poderão resolver um determinado problema pois, por outro lado, podem levar a grandes derrotas se organizadas de forma irresponsável (sem base e apoio real), podendo levar a grandes retrocessos políticos para os setores combativos (demissão, prisão, etc. sem uma retaguarda preparada). Continuar lendo

Hoje mais do que nunca, construir o braço feminista do sindicalismo revolucionário!

Este texto é uma contribuição do estudante Edson Guimarães, militante da Oposição CCI ao DCE-UnB, escrito em junho de 2014 para o debate amplo e coletivo sobre luta pela libertação da mulher.
Por Edson Guimarães

“A luta de classes, fato histórico e não a afirmação teórica, é refletida no nível do feminismo. As mulheres, como os homens, são reacionárias, centristas ou revolucionárias. Elas não podem, portanto, travar a mesma batalha juntas.” (Mariátegui, Reivindicações Feministas.)

A construção do feminismo classista no Brasil hoje é um tema explosivo que vem gerando em diversas frentes de luta questionamentos, repulsa ou fortalecimento de um polo de mulheres combativas. Frente a uma sociedade fortemente marcada pelo conservadorismo patriarcal e pela mercantilização crescente do trabalho e do corpo da mulher, a luta feminista classista se demonstra uma necessidade inadiável. Apesar disso, tal construção bate de frente a um movimento feminista pequeno-burguês hegemônico e terá de se afirmar em uma dura convicção frente a uma “maioria” afundada em confusões teóricas, práticas e oportunistas, sob a pena de vencer ou se arruinar no pântano da luta fraticida (homens x mulheres) e/ou reformista.   

Para nós este é um debate central hoje não só na UnB como no Brasil. Atualmente dentro da esquerda e principalmente dentro de círculos universitários é comum escutarmos a defesa da importância do movimento de gênero, assim como do movimento de classe. Isto é fundamental e básico, pois o feminismo e a liberdade sexual assim como a igualdade social são elementos essenciais para qualquer organização revolucionária. Apesar disso, são costumeiramente tratados de forma separada. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Pautas de classe (“salariais”) e pautas de gênero (“liberdade corporal”).

Em nossa visão está na raiz dessa separação a concepção pequeno-burguesa de feminismo e do determinismo econômico que secundariza as opressões. Não adianta falarmos da sua transversalidade se ela não é pensada e colocada em prática. As deformações surgem dessa separação e o pós-modernismo e o marxismo reformista reproduzem este problema. A esquerda oportunista que elegeu o operário industrial como o único guia da revolução no Brasil, enxerga nos movimentos de gênero, assim como no movimento estudantil e camponês, setores pequeno-burgueses dispostos a apoiar o movimento revolucionário. Dessa forma pré-concebem a característica supostamente pequeno-burguesa (ou policlassista) do movimento de gênero e a potencializam, destinam-se assim a ser movimentos de apoio, e apenas isso, pois não é considerada a possibilidade se constituírem como autênticos movimentos de classe. Continuar lendo

[ORC-DF] A solidariedade de classe e seus dilemas atuais

Oposição de Resistência Classista (ORC-DF) | Trabalhador@s da Educação

Estamos vendo a cada dia um avanço da repressão e da tirania em nosso país em diversas esferas: em protestos, em ambientes de lazer, nos locais de trabalho, de estudo, no ambiente virtual, em nossas comunidades, na vida íntima e familiar. Essa repressão vem aumentando como causa e efeito das disputas burguesas pela ampliação da acumulação de capital e, nas condições de um país semiperiférico latino-americano, essa repressão toma contornos racistas, machistas e ditatoriais, atingindo especialmente as parcelas mais marginalizadas da classe trabalhadora (mas que tende a expandir para outras parcelas significativas do povo, a exemplo do OcupaBrasíia onde a violência letal foi utilizada em um protesto sindical-popular em plena esplanada dos ministérios). A repressão atual, portanto, não é abstrata, ela diz respeito a uma configuração específica da luta de classes e o seu aprofundamento é uma necessidade/exigência direta de controle e disciplina da burguesia sobre as massas populares para aplicação das reformas anti-povo (trabalhista, previdenciária, energética, etc) e evitar insurgências como junho de 2013.

Dito isso, a nossa intenção é refletir como as reações da burocracia sindical, no que tange a essa repressão, não só não tem praticado a solidariedade de classe como tem sido um entrave para o desenvolvimento desta. É um texto que responde a uma necessidade da luta de trabalhadores da educação na busca por uma nova prática sindical, que retifique os desvios em nossa categoria e combata a burocracia sindical que reproduz, aprofunda e se utiliza desses desvios para se perpetuar no poder. Continuar lendo