[RECC-SC] TODA FORÇA À CAMARADA LORENA CASTILLO!

A Oposição Nós por Nós (RECC/UFSC) considera de fundamental importância posicionar-se diante do processo de perseguição política movido pela reitoria da UFRGS contra a estudante Lorena Castillo, desligada da instituição sob acusações fraudulentas, e contra a organização da qual a camarada faz parte, a Federação Anarquista Gaúcha.

Manifestações de autoritarismo como as da UFRGS não devem ser entendidas de maneira isolada, mas como componentes de um quadro geral de acirramento da crise política e social em que se observa um aumento da ferocidade dos ataques da burguesia contra o povo e a intensificação da caçada aos opositores desta ordem social desigual.

Há anos e, principalmente depois de 2013, a Federação Anarquista Gaúcha sofre com a perseguição por parte do Governo Estadual e das elites que o controlam. Há anos os companheiros resistem à detração pública, criminalização de suas atividades, invasões à sua sede, prisão de militantes e diversas outras investidas. Agora, o Governo Sartori (PMDB) e a reitoria de Rui Oppermann (PCdoB) se articulam para coibir a atuação combativa no movimento estudantil universitário, através da humilhação e expulsão da camarada Lorena, em um processo forjado e inquisitório que a condena à interrupção dos estudos simplesmente por ser pobre e militante.

Sabemos bem que a perseguição política se coloca como tentativa de aplacar o empenho daqueles que não fogem à luta, que não se afastam da guerra de classes encastelados em gabinetes, protegidos no alto dos carros de som e atrás de bate paus contratados para conter a insubmissão autônoma. Por isso, nos declaramos solidários à companheira Lorena e à Federação Anarquista Gaúcha, repudiamos as medidas tomadas pela UFRGS e corroboramos a exigência da imediata reintegração da companheira ao corpo discente da universidade.

Mais do que nunca, é imprescindível defender a liberdade de organização e atuação política em nossos locais de estudo, pois cada vez mais se agudiza a perseguição aos lutadores que não abaixam as vozes mediante financiamento de campanha e não sujam as mãos no lamaçal das burocracias sindicais, partidárias e estudantis que são cúmplices da burguesia. Mas a resistência nas universidades e nas ruas tem dado o recado: As perseguições não podem deter a reorganização da revolta popular! Não permitiremos que sigam roubando nossos direitos, nem que tentem silenciar nossos lutadores!

Greve geral contra as reformas e contra a repressão!

Toda solidariedade à companheira Lorena!

Anúncios

[RECC-SC] Realizado curso de formação política em Sindicalismo Revolucionário

sr1

Nos dias 20 e 21 de Maio a Oposição Estudantil Nós por Nós (NPN) realizou em Florianópolis o curso de formação política em Sindicalismo Revolucionário. O objetivo do curso foi o de apresentar, de forma mais aprofundada,porém acessível, a nossa estratégia Sindicalista Revolucionária para aqueles que estão nas lutas juntos conosco.

Nesse sentido fizemos o convite não só para indivíduos, mas também coletivos de Santa catarina, Paraná e Rio Grande do sul. Durante os dois dias de curso contamos com trabalhadores/trabalhadoras da educação, indústria, comércio, autônomos e estudantes que proporcionaram um debate rico em diversidade de experiências e conhecimentos de vida e luta.

Todo o conteúdo foi construído de forma a mostrar, através de uma análise histórica das práticas de luta da classe trabalhadora, que a organização dos trabalhadores é a única forma possível de resistir às injustiças e exploração impostas por patrões e governantes, e que essa organização também pode e deve proporcionar aos trabalhadores a perspectiva de construção de uma nova sociedade, uma sociedade Socialista!

O programa do curso foi elaborado de modo a levar o público questionar se: Ainda é possível fazer uma luta autônoma e transformadora hoje em dia? Os sindicatos e outras estruturas de organização que existem hoje podem e querem realmente cumprir esse papel de ferramenta de emancipação para dos trabalhadores? Quais são as táticas usadas pelos patrões, governos e sindicatos? Podemos atuar de outra forma? O que significa se posicionar como oposição à as burocracias sindical/estudantil/popular? O Sindicalismo é a arma mais adequada para avançarmos na luta contra o capital?

Todos esses questionamentos foram dissecados coletivamente através de uma metodologia pensada para atender todos os graus de instrução e experiências militantes, com utilização de recursos audiovisuais  e dinâmicas coletivas.

Na atual conjuntura de crise político-econômica e de tentativas de reorganização da classe consideramos essencial possibilitarmos espaços de formação como esse para fortalecemos o arcabouço político-teórico daqueles que se lançam na luta de classes numa perspectiva classista e combativa como nós, ainda mais num período difícil como o que se apresenta para os de baixo. Por isso queremos agradecer todos e todas que se esforçaram até o último instante para virem de outros estados (nesse momento de crise econômica) e principalmente que aos compareceram mesmo debaixo de chuva incessante nos dois dias do curso, pois com certeza contribuíram não só com a troca de experiências, mas  para o sucesso geral do curso. Esperamos ter contribuído para todos e todas intensificarem a luta em seus locais de atuação.

Estudar, trabalhar e Lutar contra o Capital!
Avante o Sindicalismo Revolucionário!
Construir o Poder Popular!

[RECC-SC] Boletim nº 4 – Balanço e propostas ao ME da UFSC

cabecalho03-17

por Oposição Nós Por Nós (NPN-UFSC), filiado à RECC/FOB

boletim nº 4, março de 2017

UMA ALTERNATIVA CLASSISTA E COMBATIVA NA UFSC

É com enorme entusiasmo que anunciamos o ingresso do coletivo Nós Por Nós na Rede Estudantil Classista e Combativa. A RECC é uma corrente nacional do Movimento Estudantil que surge em 2009, na Plenária dos Estudantes Classistas e Combativos, paralela ao Congresso Nacional de Estudantes. Sua fundação é marcada pela necessidade de uma força dentro do ME que atue como classe trabalhadora, com independência frente a partidos e governos, e que defenda a ação direta como método legítimo do povo em sua luta contra os exploradores. Seguindo sua concepção classista, a RECC constrói o Fórum de Oposições pela Base (FOB), que aglutina nacionalmente organizações autônomas dos trabalhadores e do movimento popular.

 É visando consolidar uma corrente classista e combativa que seja uma alternativa frente às organizações burocráticas e eleitoreiras e organize os estudantes desde a base, que nos lançamos hoje na construção da RECC em nossa universidade. Continuar lendo

[RECC-SC] COMBATER A TUTELA E CONSTRUIR A AUTONOMIA

Carta de adesão da Oposição Nós Por Nós à Rede estudantil Classista e Combativa- RECC

Florianópolis, janeiro de 2017

Introdução

Esta carta tem o objetivo de solicitar publicamente a filiação do Nós Por Nós (NPN – UFSC) à Rede Estudantil Classista e Combativa (RECC), integrante do Fórum de Oposições pela Base (FOB). Desde a fundação de nosso coletivo, no final de 2015, viemos colaborando com a difusão das análises da RECC/FOB enquanto comitê de propaganda, além de aplicar sua linha política em nosso local de atuação. O avanço político-organizacional da militância do coletivo proporcionou condições e reafirmou a necessidade de nos engajarmos em um projeto de movimento estudantil classista e autônomo de abrangência nacional. E para nós, desde o início, esse projeto se materializa na construção da RECC/FOB. Continuar lendo